Friday, October 27, 2006

porquê é que é tão fácil o que não temos ganhar ao que temos?
porque é que, agora, de repente, as línguas não parecem interessar-me o suficiente?
porque é que me escudo na falta de jeito, quando sei que, se for alguma coisa, é falta de esforço?
porque é que me é tão díficil admitir rainha de mim, das minhas escolhas, das minhas decisões?
.
o medo de ter escolhido mal persegue-me sempre.
não consigo deixar de pensar nas vidas que podia ter tido, e não tive, porque escolhi esta.
e, simultaneamente - e incoerentemente - sinto que não podia ter mais sorte (lá estou eu a chamar sorte ao que faço e escolho eu!) na vida que levo.